Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


segunda-feira, 31 de maio de 2010

FORTALEZA 1910



Casa Boris Frères & Cie., impresso em Nice, na França.

"FORTALEZA 1910" - é aqui acompanhada de corpo inteiro em fotografias
de várias poses reunidas num álbum feito entre 1908 sob o título original de "Vistas do Ceará".

A presente edição é um fac-simile do original, produzido pela UFC (Universidade Federal do Ceará), em 1980

"Álbum de Vistas do Ceará 1908" – Fortaleza 1910"

O álbum foi confeccionado em Nice (França) no ano de 1908 que reúne o mais difundido e variado conjunto de registros fotográficos sobre a Capital do Estado nessa época. Sob os auspícios da firma Boris Frères - na época o maior estabelecimento comercial de importação e exportação aqui instalado - a publicação fotográfica visava a divulgação da prosperidade e beleza do Ceará no estrangeiro e em outras partes do Brasil. Em 1908 a firma Boris Frères presenteou Fortaleza com dois álbuns impressos na França, mais precisamente em Nice, com dezenas de fotografias de Fortaleza e algumas do interior do Estado. O álbum grande tinha dezesseis páginas com dez fotos cada uma, num total de 160 fotos e o pequeno era exatamente a metade. No início da década de 1980, foi republicado o álbum editado originalmente com o título de "Álbum de Vistas do Estado do Ceará Brasil - 1908" por iniciativa da firma Boris Frères, pela Universidade Federal do Ceará - UFC, com o título de Fortaleza – 1910.

Eu já havia feito uma postagens com algumas fotos desse livro AQUI
Como as páginas do livro são bem maiores, clique nas imagens para melhor visualização.

pág1 
 
pág2 
 
pág3 
pág4 
 
pág5 
 
pág6 
 
pág7 
pág8 
pág9 
pág10 
pág11 

Vemos na foto um balão imenso, de nome "Pereira da Luz".

Sobre esse balão que sobrevoou Fortaleza,
como vemos na imagem, em 1908-1910:

FORTALEZA DOS BALÕES...

Todo mundo - inclusive vocês, confessem. - já ouviu dizer: "para a vida ser plena, tem de se fazer um filho, escrever um livro e plantar uma árvore". É o que dizem por aí, há muito tempo. Eu que sempre fui tentado a discordar, pus à prova: primeiro, da única gravidez, tornei-me pai de minhas duas primeiras filhas, Luana e Liana, que, "para piorar", são lindas (e estão fazendo aniversário este mês); depois, numa crise de sandice, que se tornaria literariamente crônica, escrevi um livro. Como não distingo bem os gêneros, - refiro-me aos literários -, escrevi um romance em tom de crônica e com nome de conto. Porém, faltava-me plantar a tal árvore para alcançar a vulgarmente propalada e desejada "plenitude da vida". Digo bem: Faltava! Numa manhã de abril, acordei decidido a concluir essa trilogia e, no quintalzinho da casa onde moro, plantei uma pequena árvore, quase um arbusto, que trouxe ainda nos ombros. Renovei e preparei a terra, juntei toda aquela gororoba de uréia, húmus, adubos orgânicos e finquei a plantinha ao lado da lavanderia. Pronto! No outro dia de manhã, acreditem se quiserem, fui surpreendido por uma imensa lufada de vento frio no quarto. As janelas se debatiam como loucas. Aturdido, corri para trancá-las embaraçando-me às cortinas esvoaçantes... e não consegui. Meus amigos, não imaginam o pasmo que tive quando me dei conta, ao rés do parapeito, da altura fabulosa em que estava suspensa a nossa humilde casinha. E sabem a que se devia isto? À simples escolha errada de árvore. Como poderia saber que aquela inofensiva plantinha, quase um arbusto, eu disse, se transformaria num benjamim gigante? Para estudar com calma a situação, peguei uma caneca de café bem quente e sentei-me à varanda enlevando os pés numa nuvem gentil. A temperatura estava muito baixa e a fumacinha do café dobrava-se em cristais com carinhas sorridentes. Lógico que isso não era engraçado! De longe, vi passar um homem de capacete, envolvido em papel alumínio e suspenso por um monte de balões coloridos. Perguntava, aos berros, se eu tinha carregador de celular. Só podia ser delírio ou propaganda dessas operadoras telefônicas. Imagine... Nem liguei. Depois, não menos estranho, assisti surgir, turvo e enevoado, o balão de cor amarelo-queimado, uma espécie de "laranja gigante", que por um momento me fez pensar se tinha errado a dose do café. Se é que era apenas café!... Mas, logo, logo, percebi-lhe escrito na seda: "Brasil". Abaixo dele, surgiam cordas sustentando a barquinha de vime rodeada de sacos de areia. Um caboclo corpulento acenava-me com simpatia. Estacionou no mezanino, desceu para cumprimentar-me colocando o quepe no braço e, sem cerimônias, sentou-se. Sedento, abriu uma torneira daquela nuvenzinha, - ainda bem que era época de muita chuva -, e bebeu-lhe um pouco d'água fresca, antes de solfejar algumas notas da clarineta que trazia no bolso. Seu nome era José Pereira da Luz, ou capitão Zé da Luz, como preferia. Pernambucano, foi retirante. Como soldado participou da Guerra de Canudos, mas o que queria mesmo, desde menino, quando viu uma chuva de estrelas no céu do sertão, era fabricar o seu próprio balão e voar bem lá no alto! E assim o fez; e não foi só um, mas todos se incendiaram. Construiu também um pára-quedas "de algodãozinho" que, justo na hora, não abriu, quebrando-lhe a perna. Mas ele não desistiu, não. O cabra continuou! Daí, comprou em Paris um aeróstato, um nome pomposo para... balão! Vocês não lembram, mas aqui em Fortaleza, quando o balão "Brasil" veio na passagem do ano de 1907, foi um alvoroço... Partiu da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção e ergueu-se sublime a balançar ao sabor dos ventos bravios. Pena que, numa segunda vez, o "Brasil", sabe-se lá por que, tropicou nos telhados próximos ao Passeio Público e esparramou-se, como batatas, pelo chão: - Visse, Raymundo, que enquanto eu estava internado na Santa Casa, uma senhora muito humilde veio perguntar-me se, quando eu pairava no céu, tinha encontrado algum dos anjos do Senhor? E o mais engraçado era a molecagem do povo que me dizia: "Já vi pereira dar pêra, mas pereira 'dá' luz..." Cearense é bicho gozador! Após o bom conversado, para não perder o costume, pedi-lhe carona para descer. Como estando a bordo de "Brasis" sempre é bom se prevenir, trouxe um aparelho de GPS (Sistema de Posicionamento Global) com manual anexo, é claro. No que sucedeu depois, não irei me deter, por absoluta falta de espaço, e pela leve desconfiança de que posso não estar agradando, contudo, afirmo que a antiga máxima da plenitude da vida (filho - livro - árvore) é uma grande besteira, e eu sou testemunha disso. O céu, heróicos leitores, só é o limite para quem não aprendeu a enxergar acima dele. José Pereira da Luz (pai do poeta Pierre Luz) sempre teve vocação musical. Um dia, porém, ao ler o Dicionário Enciclopédico Português, na letra B, ressurgiu-lhe o desejo de voar que trazia desde criança. Realizou vôos em Recife, Ceará (1/01/1907) e na Bahia. No Rio de Janeiro não alcançou êxito. Em janeiro de 2008, o último vôo do "Brasil" completou cem anos sem lembrança e sem memória. Texto: Raymundo Netto, autor de Um Conto no Passado - cadeiras na calçada, um lunático amador que sofre de perda de memória recente.


pág12 
pág13 
pág14 
pág15
 
pág16 



Crédito: Fortal

4 comentários:

  1. Belo trabalho que faz aqui...
    Sou apaixonado por Fortaleza Antiga,aliás, acho até que mais do que sou por Fortaleza nos dias de hoje.(rsrsrs)
    Acho que a Cultura era mais forte, e a cidade era mais bonita no geral! Embora hoje tenha belos prédios.
    A cultura é meio perdida! Pelo menos a Boa Cultura. :D

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Edu, eu tbm sou apaixonada pela Fortaleza de antes rsrs pela Fortaleza que eu nem tive oportunidade de conhecer pessoalmente rsrs

    ResponderExcluir
  3. Fantástico Leila ! parabéns pelo seu trabalho maravilhoso sobre Fortaleza antiga, tenho ctz que sem seu trabalho o conhecimento sobre a história de Fortaleza e da sua arquitetura seria muito mais limitado. Você sabe se esse book de fotos ainda circula ? Se sim ,saberia onde posso adquirir ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Kaio!

      Sobre o álbum, talvez vc consiga encontrar nos sebos!

      Forte abraço

      Excluir