Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


sábado, 8 de maio de 2010

Rádio Dragão do Mar

"Uma Emissora de Luta na Terra da Luz "

A Rádio Dragão do Mar nasceu com conotação política; enquanto a Rádio Verdes Mares já nas mãos de Paulo Cabral de Araújo apoiava a União democrática Nacional - UDN, o Partido Social Democrático - PSD com vistas à campanha sucessória de 1958 fazia oposição ao Governo do Estado do Ceará, que estava nas mãos de Paulo Sarasate (governador) e Flávio Marcilio (vice). O Rádio sempre fora um bom cabo eleitoral e antes do advento da Televisão era um forte instrumento de base.

O fortalecimento da Dragão vingou na inspiração da Braveza, pois, em dezembro de 1957 a emissora já tinha inserções experimentais e a aparelhagem, estúdio e escritório já estavam instalados no edifício Arara (Depois sede do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Comerciários IAPC) , na Rua Pedro Pereira, centro da cidade, ocupando todo o 11º andar do prédio.
O Jornalista Blanchard Girão teve como responsabilidade elaborar o esquema de programação na nova emissora, que foi inaugurada aos 25 de março de 1958, data comemorativa da abolição da escravatura negra no Ceará. A nomenclatura “Dragão do mar” foi uma justa homenagem ao aracatiense de “Canoa Quebrada”, o jangadeiro Francisco José do Nascimento, cognominado “Chico da Matilde”, cuja idéia desse batismo radiofônico, segundo os contemporâneos fora idealizado pelo radialista Olavo Peixoto de Alencar. A música escolhida como característica foi “Terra da Luz”, música de exaltação, de autoria de Humberto Teixeira e Lauro Maia. Depois o humorista e compositor Silvino Neto, que em temporada por Fortaleza, fora incumbido de produzir um seriado de vinhetas sob o tema “Terra da Luz”, e foi quando a emissora obteve um toque mais suave na exibição de sua programação e intervalos comerciais.

A denominação de “Dragão do Mar” já tinha como sugestão uma linha de protestos e lutas, como ficou ratificado, pois assim fora assegurada por ondas hertzianas uma labuta que culminou com a vitória do Sr. Parsifal Barroso, candidato da união PSD/PTB.
A rádio seria a “pedra no sapato” do Governo da UDN, onde havia denuncias de deficiências na administração estadual, e que na análise do hoje saudoso Jornalista Blanchard Girão: “tinha escândalos de afilhadíssimos que caracterizavam, de um modo geral, a prática política estadual daqueles tempos”.
Com força no setor jornalístico, que estava entregue aos irmãos Almir e Artur Pedreira, a “Dragão” tinha obviamente um caráter primordial: combater o Governo da UDN e a promoção eleitoral dos candidatos do PSD. A direção política da emissora estava a cargo do então deputado estadual Franklin Chaves. O editorial da rádio era a crônica “A Nossa Palavra”, que ia ao ar às 12.h30, escrita por Blanchard Girão, lida por Waldir Xavier e, esporadicamente por Almir Pedreira.

A emissora, com forte oposição e radicalismo caiu na graça do povo e isso contribuiu especialmente no departamento de esportes, onde originou uma grande equipe (Ivan Lima, Gomes farias, Paulino Rocha, Josely Moreira e muitos outros). Os programas de estúdio, muitos elaborados por Juarez Barroso (já falecido) e Rui Paes de Castro, todos vislumbrando dotes jornalísticos e rádio/teatro.
Programas da “Dragão”, além da crônica, ficaram líderes em audiência, “O Contador de História”, quadros rápidos, com resumidíssimos contos de extraordinária graça. Ressalte-se, demais, o cast de radioteatro, dirigido por J. Oliveira, que encenou algumas das mais ouvidas novelas de rádio da época. Neste cast apareciam nomes jovens, que se consagrariam depois no rádio e no teatro brasileiro, por exemplo, Aderbal Junior e Oliveira Filho.
Sem demora, a “Dragão” passou a ocupar posição de relevo no campo radiofônico local. Em alguns horários, a “Dragão” batia amplamente as concorrentes, razão pela qual era a emissora preferida por alguns fortes anunciantes, como a The Sidney Ross, que mantinha elevados contratos com a emissora para a divulgação de seus principais produtos, como “Melhoral”, “Talco Ross” e “Pílulas de Vida do doutor Ross”.
A rádio, segundo alguns jornalistas, sacudiu a opinião pública, denunciando os desmando do Governo udenista. Estes retrucavam mais violência onde na época o Secretario de Segurança, general Severino Sombra, mandou prender um carro de reportagens da “Dragão”. Isto provocou uma reação histórica da imprensa local liderada por Perboyre e Silva, presidente da Associação Cearense de Imprensa. Uma imensa passeata de carros formou-se na Sede da ACI e se dirigiram para o Quartel da PM em Antonio Bezerra, com até as rádios concorrentes transmitindo os lances do acontecimento, e o povo nas calçadas aplaudindo os jornalistas. O comando do quartel não permitiu a entrada dos jornalistas e os mesmos se deslocaram para a Praça dos Voluntários (Centro de Fortaleza), onde aconteceu outra enérgica manifestação, exigindo a libertação dos companheiros presos, o que foi afinal conseguido graças à firmeza e à valentia pessoal de Perboyre Silva. Tudo isso fez crescer ainda mais o prestígio e a popularidade da “Rádio Dragão do Mar”, com seus índices de audiência subindo de tal forma que as concorrentes já se sentiam incomodadas.
Noutra ocasião, o mesmo Secretário de Segurança, general Sombra, mandou prender de modo arbitrário um grupo de jornalistas. Os policiais detiveram numerosos profissionais de jornal e rádio, dentre os quais Adísia Sá, Narcélio Lima Verde, Edmundo Maia. Todos esses lamentáveis acontecimentos só fortaleceram a oposição, afinal a rádio Dragão do Mar, que liderava a luta contra a orgia de nomeações feitas pelo Governo da UDN, a esta altura, já estava derrotado nas urnas.
Concluída a campanha com o PSD voltando ao poder, o partido sentiu que não tinha vocação para manter uma emissora, com seu um elenco milionário: equipe esportiva e de jornalismo, produtores de programas, cast de rádio-teatro. Foi herdada uma folha de pagamento altíssima, o que a colocou em permanente situação deficitária. O PSD passou o comando da rádio, então ao Sr. Moysés Pimentel.
A “Dragão”, já politicamente prestigiada, sob a orientação de Pimentel, tornou-se porta-voz das grandes bandeiras reivindicatórias da época, abrindo microfones a lideranças operárias, estudantis e mesmo camponeses. Sustentou a campanha em favor do general Lott à presidência da República (candidato do PSD/PTB) e assumiu posição firme em prol da legalidade, quando da renuncia do Sr. Jânio Quadros, sendo a única do Estado a lutar em favor da posse do vice-presidente João Goulart.
Ao lado de Jango, a “Dragão” assumiu a linha de frente em prol das reformas de base e foi, no Ceará o grande veiculo de divulgação das teses progressistas que marcaram aquele período histórico brasileiro. Em 1962, como decorrência natural da conduta da emissora, a sua cúpula diretiva candidatou-se, sendo eleito com grande votação, o empresário Moysés Pimentel para a câmara federal e Blanchard Girão que era diretor de programação, juntamente com Aécio de Borba diretor administrativo, foram para a Assembléia Legislativa.
Os dias da “Dragão”, porém, estavam contados. Em 64, mal estourou o “golpe”, os militares trataram de ocupar a rádio, fechando-a e prendendo os seus jornalistas e locutores (Peixoto de Alencar, Nazareno Albuquerque dentre outros), enquanto os deputados Moysés Pimentel e o Blanchard Girão foram cassados e presos. Desde 62 a emissora política mantinha a sua diretriz democrática e reformista, ao lado do Presidente da república João Goulart que fora deposto em 1964.
A “Dragão” saiu do ar por vários meses e, quando voltou veio sob outra direção,ou seja com o militar reformado General Almir Macedo de Mesquita. Totalmente descaracterizada e, de tombo em tombo, ficou na vala comum das rádios, quase ignoradas pelo público.
A Rádio Dragão do Mar, em seu primeiro período, como emissora do Partido Social Democrático e posteriormente sob a orientação político-ideológica do empresário Moysés Pimentel, (presidente regional do Partido Social Trabalhista – PST) confunde-se com a conturbada realidade sócio-política do Ceará e do País naqueles finais de década de 50 e princípios da década seguinte. Nacionalmente, a Dragão do Mar esteve na crista de acontecimentos históricos da maior relevância, como a renúncia do Presidente Jânio Quadros, seguida da afronta à Constituição vigente na tentativa de golpe por parte dos comandantes militares, que vetaram a posse do Vice-Presidente, João Goulart.
A Dragão foi a única emissora cearense a posicionar-se a favor da posse do Vice-Presidente, entrando em choque, conseqüentemente, com a área militar. Toda a momentosa jornada do governo Goulart, a luta pelas reformas de base da sociedade brasileira, o despontar da consciência cívica do nosso povo, estudantes e trabalhadores em memoráveis movimentos, tudo isso perpassou através das ondas da Rádio Dragão do Mar, cuja coerência política se manteve incólume durante toda aquela fase. Em 1964, no auge da crise política brasileira, a Dragão continuou impavidamente nas suas posições.
Pois bem, os estúdios da rádio Dragão do Mar, quando saiu do edifício Arara, esteve na antiga Avenida Estados Unidos (hoje Senador Virgílio Távora), passando uma temporada na Rua Marcondes Pereira, próxima a Avenida Barão de Studart. Hoje está na Rua 25 de março nº. 685, e sua estação transmissora está transmitindo da Avenida Presidente Costa e Silva no Mondubim Velho, com uma torre de 100 metros, 25 kW de potência com o transmissor EASA, e 10 kW com o auxiliar de marca Nautel.
Com uma programação bem eclética, inclusive reservando o horário noturno para programação evangélica, sempre operando na freqüência de 690 kHz, a ZYH 590 concedida ao Partido Social Democrático – PSD, foi adquirida por Moysés Pimentel juntamente com o Deputado Franklin Chaves; das mãos do general Mesquita foi transferida para a Família Cesar Cal's na pessoa de seu diretor presidente Dr. Sérgio Cal's. Finalmente a famosa Dragão do Mar em 1 de agosto de 2008, fora vendida para a Comunidade Católica Shalom.

Sua programação jornalística, musical, evangélica e todos os outros foram erradicados. O povo continua ouvindo rádio, mas a bravura política e a diversificação aprendida pela didática dos microfones da 690, foi para a história.
É dizer como o saudoso radialista Wilson Machado: “E os anos carregaram”.
Fonte: Tempos do rádio

3 comentários:

  1. Almir Pedreira um grande profissional e o mais dificil ele era ` UM SER HUMANO IMPAR , SENSIVEL, HONESTO, CARATER, PERSONALIDADE , a voz mais bonita do rádio no Brasil , e hoje quem faz parte da impresas, deve ter memoria fraca .

    ResponderExcluir
  2. Obrigada,por me trazer a memoria,esse rico conteúdo.Amei rever alguns comentários e imagem da foto,exemplo O FAMOSO CATA_VENTO DE BOMBEAR ÁGUA,PARA AS Fazendas,ERA SÓ QUE PODIA TINHA UM DESSE \0/.Leila Nobre.

    ResponderExcluir