Fortaleza, uma cidade em TrAnSfOrMaÇãO!!!


Blog sobre essa linda cidade, com suas praias maravilhosas, seu povo acolhedor e seus bairros históricos.


quinta-feira, 10 de abril de 2014

Especial Fortaleza 288 anos - Praças da cidade



A Praça Caio Prado parece ser a primeira praça de nossa capital, pois na planta da Vila de Fortaleza descrita pelo padre Serafim Leite com desenho do Capitão Mor Manuel Francês e enviado a Lisboa em 1726, como demonstração de seus serviços, comprova o fato quando ele diz: "Em frente da Câmara e do Forte, a praça com os símbolos municipais, coincidindo o pelourinho com a frente da Câmara e a forca com a da Fortaleza." 
"Situada donde hoje é a Sé, reunia no seu espaço a valorização da casa da Câmara do Pelourinho, símbolo da autoridade Municipal, e a presença da igreja."

Já recebeu o nome de Praça do Conselho (em 1726) assim designado pela existência do prédio do Conselho (Hoje desaparecido).
Do Largo da Matriz (em 1854), quando da construção da igreja em 1854.
Da Sé - Quando a igreja Matriz passou a, em 1861.
Caio Prado (em 1889), em homenagem a Antônio da Silva Prado, paulista que foi presidente do Ceará em 1888/1889, tendo falecido nesse cargo em Palácio.
Novamente recebeu o nome de Praça da Sé (1890/1891), mas só durou 6 meses, quando voltou a denominação anterior.
Praça Dr. Pedro Borges (em 1903), homenagem a Pedro Augusto Borges, médico do Exército, Senador da República, Deputado Federal e presidente do Ceará (1900-1904).
Da Sé (1932 até hoje) - A praça era todo aquele espaço compreendido entre as ruas São José e General Bezerril (Norte-Sul), Rufino de Alencar, Sobral e Castro e Silva.


A origem da Praça General Tibúrcio remonta aos tempos da construção da Igreja do Rosário em 1730. Em 1831 o Largo do Palácio foi planejado e então a praça começa a ser urbanizada, sendo inaugurada em 1856. Depois da morte do general Antônio Tibúrcio Ferreira de Sousa, herói da Guerra do Paraguai, em 1885, uma estátua foi erguida em sua homenagem na praça em 1888, sendo a primeira estátua pública da cidade. Já recebeu o nome de Largo do Palácio, Pátio do Palácio, Praça do Palácio, General Tibúrcio ( A estátua do general é a primeira a ser erigida em Fortaleza. Possui 2,50 m de pedestal e 2,00 m de escultura e sua fundição aconteceu em Paris por Tliebant Fréres, mas o pedestal foi feito por Frederico Sinner, aqui em Fortaleza (1887/1888).
Em 1820 passou a ser chamada de Praça 16 de Novembro para comemorar a instalação do Governo Provisório do Estado do Ceará. Durou apenas 6 meses e até hoje se chama Praça General Tibúrcio, mas é conhecida também como Praça dos Leões devido as estátuas de leões que a ornamentam. 



Fundada em 1817, a Praça Carolina era um grande largo que ficava entre a atual Rua São Paulo, Rua Floriano Peixoto, Rua Sobral e Rua General Bezerril, onde foi inaugurado, em 18/04/1897, o Mercado de Ferro.
Chamou-se, depois, Largo da Assembléia e Largo do Mercado.
Quando dividida, já se chamou Praça José de Alencar (o lado norte) e Praça Capistrano de Abreu (o lado sul).
Hoje, no local estão, o Palácio do Comércio, a Praça Waldemar Falcão, o Banco do Brasil (agência metropolitana) e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT.
O Mercado de Ferro foi desmontado em 1939 sendo dividido em duas partes, indo uma para a Praça Paula Pessoa (São Sebastião) e a outra metade para a Aldeota, na Praça Visconde de Pelotas (Pinhões).
A parte da Praça São Sebastião foi desmontada em 1968 e levada para a Aerolândia, onde ainda se encontra e no local foi levantado um galpão de alvenaria, com telhas de amianto, que já foi demolido, para a construção de uma praça para o novo Mercado de São Sebastião.
Ao lado da Praça Carolina, foi construído o Mercado Central, que agora tem novo prédio na Avenida Alberto Nepomuceno, e já foi desativado em sua parte interna.
Na parte norte da praça, existia dois quiosques de ferro/madeira, a mercearia do João Aleixo e o Café Fênix, tendo por trás, um outro retangular, que abrigava o Engenho Bem Bem, que comercializava a garapa de cana, hoje chamada de caldo de cana.
A Praça Waldemar Falcão inaugurou-se em 1939.




No dia 29 de junho de 1830, inaugura-se o antigo Campo D'Amélia, uma homenagem à Imperatriz D. Amélia de Leuchttemberg, chamou-se também Senador Carreira em 1882, Da Via Férrea em 1890 e a partir de 1932, Praça Castro Carreira.
Popularmente, desde o advento da Estação de trem (1871), chama-se Praça da Estação.
No dia 24 de maio do ano de 1900, foi inaugurada no centro da praça a estátua do General Sampaio, sobre uma coluna de mármore.
No mesmo ato foram inauguradas também a Rua 24 de Maio e Rua General Sampaio.
No dia 24/05/1966 a estátua foi retirada e levada para a Avenida Bezerra de Menezes sem seu pedestal, que foi destruído, e juntados a ela os restos mortais do homenageado.
Em 1981 foi a estátua novamente deslocada, desta feita para a Avenida 13 de Maio, em frente ao 23º BC, sem que acompanhassem os seus restos mortuários.
Em 1996 por iniciativa do Instituto do Ceará, tanto a estátua como os restos mortais do general foram transferidos e hoje se encontram em frente a 10ª Região Militar, na Avenida Alberto Nepomuceno.


No dia 06 de dezembro de 1842, a Lei nº 264 autoriza a Câmara a reformar o plano da cidade de Fortaleza.
Existia no local da atual Praça do Ferreira o Beco do Cotovelo, que foi demolido por iniciativa do boticário Antônio Rodrigues Ferreira (Boticário Ferreira) para construção da Praça Pedro II, que ficou mais conhecida como Feira Nova, mas então apenas um areal até 1902, com quatro quiosques nos cantos e uma cacimba (poço) no centro e vários "frades de pedra" (colunas feitas de pedra de Lisboa).
Os quiosques eram o Café Java, no canto nordeste; o Café Elegante (assobradado), na esquina sudeste; o Restaurante Iracema, no canto sudoeste e o Café do Comércio (assobradado), no canto noroeste. Entre o do Comércio e o Java.
O intendente coronel Guilherme César da Rocha (Guilherme Rocha) em 1902 procedeu a primeira urbanização parcial, fazendo em um trecho o belo Jardim 7 de Setembro, murado com grades de ferro, uma caixa d'água, conservando nos cantos os cafés, inaugurada no dia sete de setembro.
Em outubro de 1920 o então prefeito Godofredo Maciel demoliu os quatro cafés, construiu um coreto sem coberta e mosaicou toda a praça.
Em 1925 constrói o coreto coberto.
Raimundo Girão em 1933 constrói a Coluna da Hora e derruba o coreto.
No ano de 1949, gestão de Acrísio Moreira da Rocha, é construído, entre a Rua Floriano Peixoto, Rua Guilherme Rocha, Rua Major Facundo e Travessa Pará, o Abrigo Central.
Em 1967 a Coluna da Hora é demolida na gestão de Murilo Borges e na gestão seguinte, de José Walter Barbosa Cavalcante, é destruída a Praça do Ferreira, demolido o Abrigo Central e feita uma nova praça com elevados blocos de concreto, posicionados em diferentes pontos, dificultando a circulação popular e os agrupamentos que a caracterizavam e um subterrâneo que abrigou a Galeria Antônio Bandeira.
Em 1991 o prefeito Juraci Vieira Magalhães manda derrubar a praça tão criticada pelo povo e pela imprensa e constrói uma nova com base na antiga praça, colocando uma nova versão da Coluna da Hora agora com fontes d'água e a antiga cacimba é redescoberta e conservada ao centro.


Nomes que teve a praça:
Feira Nova - Lugar onde se realizavam as feiras semanais, deslocando o centro da cidade da Praça da Sé, para o novo logradouro.
Largo das Trincheiras - Não se sabe bem se foi por uma batalha entre Holandeses e Portugueses, ou por causa do nome de um Senador que vivia ali e era apelidado de "Trincheiras."
Pedro II - Em 1859, em homenagem ao Imperador.
Do Ferreira - Em 1871, após a morte do Boticário Ferreira, em reconhecimento pelos relevantes serviços que prestou a cidade.
Municipal - Durou somente seis meses, retomando ao seu nome anterior.
Além dessas denominações oficiais também era conhecida por "Da Municipalidade", por estar defronte do prédio da Intendência Municipal.



Em 1864, é iniciada a construção do Passeio Público no Largo da Fortaleza ou Campo da Pólvora, que era a primeira praça da povoação, na gestão do presidente da Província Dr. Fausto Augusto de Aguiar, compreendendo três planos, o atual e outros dois mais abaixo, hoje tomados pela Avenida Marechal Castelo Branco (Avenida Leste-Oeste).
O Passeio Público já foi Campo da Pólvora, Largo da Fortaleza, Largo do Paiol, Largo do Hospital de Caridade, Praça da Misericórdia e, a partir de 03/04/1879, Praça dos Mártires.
Teve dois nomes não oficiais: Campo da Pólvora (1870) e Passeio Público, pelo qual é hoje conhecido.
A praça foi urbanizada em 1864.
Havia três planos em três níveis, destinados às classes rica, média e pobre.
Por volta de 1879 as duas praças mais baixas foram desativadas e a atual foi dividida em três setores com a mesma finalidade, ficando os ricos com a avenida do lado da praia, a classe média com a do lado da Rua Dr. João Moreira e os pobres com a central.
Foi nesta época que o passeio recebeu as bonitas grades de ferro que o rodeavam e que foram retiradas em 1939 e recentemente feitas novas de acordo com as antigas.
O nome de Praça dos Mártires é uma homenagem aos heróis tombados ali, pertencentes ao movimento República do Equador, que foram bacamarteados: João Andrade Pessoa Anta, tenente-coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina, padre Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo Mororó, tenente de milícias Luís Inácio de Azevedo e o tenente-coronel Feliciano José da Silva Carapinima.



Fontes: Livro Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo, Livro Fortaleza - Praças, Parques e Monumentos de Lídia Sarmiento e José Capelo Filho e Portal do Ceará de Gildásio Sá.


Fotos: Arquivo Pessoal, Arquivo Nirez, Arquivo Assis Lima, Arquivo Carlos Juaçaba, Livro Terra Cearense de 1925 e o Relatório do Interventor Federal Carneiro de Mendonça - 1931 a 1934


2 comentários: